BANNER 70 ANOS TCE
Investigados Soltos

Suspeitos de desvios na compra de respiradores durante pandemia deixam prisão no AM

Prazo de prisões temporárias se encerrou no último sábado (17).

18/10/2020 14h43
Por: Lohana Fernandes
Fonte: G1 Amazonas
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Os cinco presos na segunda fase da Operação Sangria - que investiga supostas fraudes e desvios na compra de respiradores pelo Governo do Amazonas - foram liberados do sistema prisional neste domingo (18), segundo a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap). Eles foram presos na quinta-feira (8), e o prazo das prisões temporárias em nome deles se encerrou no último sábado (17).

Foram alvos da decisão o ex-secretário de Saúde do estado, Rodrigo Tobias; a ex-secretária executiva da pasta, Dayana Mejia; o engenheiro clínico Ronald Gonçalo Caldas Santos; o marido da ex-secretária de Comunicação do estado, Luiz Carlos de Avelino Júnior; e Gutemberg Leão Alencar, apontado como "homem de confiança" do governador.

Inicialmente, o período das prisões temporárias se encerrariam na última segunda-feira (12). Ao fim do prazo inicial, as prisões temporárias foram prorrogadas por mais cinco dias, até o último sábado (17). Após o período, as prisões não foram prorrogadas e os presos da segunda fase da Operação Sangria foram soltos à meia noite deste domingo (18), após decisão do ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Francisco Falcão, segundo a Seap.

Segundo a Seap, o ex-secretário de Saúde do estado, Rodrigo Tobias, o engenheiro clínico Ronaldo Gonçalo Caldas Dantas Santos, e o marido da ex-secretária de Comunicação do estado, Luiz Avelino Junior, estavam presos no Centro de Detenção Provisória Masculino 2 (CDPM2).

Gutemberg Alencar, apontado como "homem de confiança" do governador, estava preso no Batalhão de Choque e Dayana Mejia de Sousa, ex-secretária executiva da Saúde, no Centro de Detenção Provisória Feminino (CDPF).

 

Operação Sangria

A primeira fase da Operação Sangria apontou supostas fraudes e desvios na compra de respiradores, com dispensa de licitação, de uma importadora de vinhos — os equipamentos deveriam ser destinados ao combate ao novo coronavírus, que causa a doença Covid-19.

A PF cumpriu os mandados na sede do governo do estado, na casa do governador Wilson Lima e na secretaria de saúde, em Manaus. A operação cumpriu mandados de prisão temporária contra oito pessoas, incluindo a secretária de Saúde da época, Simone Papaiz, além de buscas e apreensões em 14 endereços de pessoas ligadas a Lima.

A PF chegou a pedir a prisão de Lima, mas o Ministro Francisco Falcão, do STJ, disse que, "ao menos neste momento", isso não se justifica.

Segundo a investigação, foram identificadas compras superfaturadas de respiradores; direcionamento na contratação de empresa; lavagem de dinheiro; e montagem de processos para encobrir os crimes praticados com a participação direta do governador.

Na segunda fase da Operação Sangria, além os cinco presos, o vice-governador do estado, Carlos Almeida (PTB), também foi um dos alvos da operação. Ele teve mandados de busca e apreensão autorizados pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), por conta do foro privilegiado.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Manaus - AM
Atualizado às 23h23
24°
Trovoada e chuva Máxima: 32° - Mínima: 24°
24°

Sensação

9 km/h

Vento

94%

Umidade

Fonte: Climatempo
Banner entrevista da semana
Municípios
Últimas notícias
Mais lidas
Anúncio
Anúncio