BANNER 70 ANOS TCE
QUEIMADAS

Queimadas em setembro no AM têm alta de 36,2% na comparação com o ano passado antes mesmo do fim do mês, diz Inpe

Estado é o segundo da Região Norte a registrar maior problema com incêndios em áreas de floresta

27/09/2020 10h59Atualizado há 1 mês
Por: Lua Aguiar
Fonte: Com informações do G1 Amazonas
Fotos: Divulgação
Fotos: Divulgação

O mês de setembro ainda não acabou, mas no Amazonas ele já acumula número de queimadas superior ao mesmo período completo do ano passado. Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) indicam alta de 36,2% e colocam o estado como o segundo da Região Norte a apresentar maior problema com incêndios em área de florestas no mês atual.

No ranking de queimadas dos estados nortistas contabilizados pelo Inpe até sexta-feira (25), o Pará lidera com 9.967. Na sequência, o Amazonas aparece com 4.121, Tocantins acumula 3.661, Rondônia vem em seguida com 3.659, Acre tem 3.251, Amapá registra 58 e, por último, Roraima apresenta quadro com 38.

No Amazonas, o problema maior está situado no sul do estado. Os municípios de Apuí e Lábrea são os que apresentam alto número de ocorrências. Na cidade de Apuí, ao longo do ano, 2.697 focos já foram registrados. Em Lábrea, dados do Inpe mostram que 2.033 é o total do índice acumulado ao longo do ano.

Quando a análise dos números no Amazonas alcança os anos de 2019 e 2020, a alta é de 16,1%. Enquanto 2019 apresentou 12.676, no presente ano, ainda faltando pouco mais de três meses para o término, as estatísticas apontam 14.722 focos registrados até sexta (25). Entre os anos de 2018 e 2019 o aumento havia sido de 24%, segundo o Inpe.

Recorde no 1º semestre                

O Amazonas teve um aumento de 51,7% na quantidade de focos de queimada registrados nos seis primeiros meses de 2020, em comparação com o mesmo período do ano passado, conforme dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Os números apontam que o quantitativo de queimadas no primeiro semestre deste ano atingiu o recorde dos últimos quatro anos no estado.

De janeiro a junho de 2020 foram registrados 496 focos de incêndio em área florestal em todo o Estado. No mesmo período do ano passado, foram registrados 327 focos de queimadas. No primeiro semestre de 2017, foram contabilizados pelo órgão 250 focos. Em 2018, entre janeiro e junho, o total de focos de queimadas no Amazonas foi de 475.

Agosto com mais queimadas em 22 anos

O número de focos de queimadas registrados no Amazonas atingiu 10.234 este ano, conforme dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Desse total, mais de 7,6 mil ocorreram somente em agosto, maior registro para esta época desde 1998, quando os dados passaram a ser divulgados.

O mês de agosto costuma ser o mais seco do ano na região e também é o período em que ocorrem os maiores índices de queimadas. Especialistas afirmam que o fogo é consequência de incêndios criminosos e de políticas anti-ambientais.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.