Domingo, 26 de Junho de 2022
92 98468-7887
Amazonas PRIVATIZAÇÃO

Petroleiros entram com recurso no Cade contra venda de refinaria de Manaus

Para o presidente do Sindicato dos Petroleiros do Amazonas (Sindipetro-AM), Marcus Ribeiro, a decisão “demonstra a irresponsabilidade do Cade e do governo federal em relação ao povo amazonense”.

17/05/2022 16h34
Por: Sadim Salatiel
Petroleiros entram com recurso no Cade contra venda de refinaria de Manaus

A categoria dos petroleiros decidiu ingressar com recurso de terceiro interessado no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) contra a decisão da superintendência-geral do órgão, que aprovou na semana passada a venda, sem restrições, da refinaria Isaac Sabbá (Reman) da Petrobrás, situada em Manaus (AM), ao grupo Atem.

Para o presidente do Sindicato dos Petroleiros do Amazonas (Sindipetro-AM), Marcus Ribeiro, a decisão “demonstra a irresponsabilidade do Cade e do governo federal em relação ao povo amazonense”.

Diante disso, ontem, segunda-feira (16), a Federação Única dos Petroleiros (FUP), a Associação Nacional dos Petroleiros Acionistas Minoritários da Petrobrás (Anapetro) e o Sindipetro-AM decidiram entrar com recurso junto a Cade para impedir a venda da empresa. “A venda da Reman está longe de ser concluída e vamos barrá-la. É um dos mais absurdos casos de monopólio privado regional no refino, tanto que praticamente todas as empresas que atuam nesse mercado também foram ao CADE questionar a operação”, segundo o coordenador-geral da FUP, Deyvid Bacelar.

 

“Caso a venda seja concretizada, o povo amazonense vai sofrer fortemente os impactos no preço dos combustíveis”, prevê o presidente do Sindipetro-AM. “Basta ver o que acontece na Bahia, onde os baianos pagam a gasolina mais cara do Brasil. E olha que lá é Nordeste e tem outras refinarias. Nós só temos uma. Corre um grande risco de a gente ter o preço de combustível mais caro do país”, prosseguiu Ribeiro, lembrando caso da Rlam, que hoje pratica preços maiores que os da Petrobras.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.