Segunda, 23 de Maio de 2022
92 98468-7887
Amazonas FALTA DE RESPEITO

Em ofício, comandante geral da PM, afirma que instituição não está apta para receber pessoas com deficiência

No edital do concurso público, não há vagas destinadas a PCD 's. Coronel afirma em documento que candidatos precisam ter aptidão física e psicologia para assumir cargos

17/01/2022 14h56 Atualizada há 4 meses
Por: Ricardo Xavier


Foto: Comandante da Polícia Militar, CEL QOPM Marcus Vinícius Almeida

 

 

O comandante da Polícia Militar, coronel Marcus Vinícius Almeida, enviou no final do ano passado, um ofício em resposta ao Procurador Vitor Moreira da Fonseca, da 56 da PRODHID. O Procurador havia enviado um ofício solicitando esclarecimentos ao comandante sobre as vagas destinadas a pessoas com deficiência em concurso público.

 

No edital, constam apenas, vagas para ampla concorrência, deixando de fora as vagas destinadas às pessoas com deficiência. 

 

De acordo com o Decreto No 9.508, de 24 de Setembro de 2018, Art. 1o: Fica assegurado à pessoa com deficiência o direito de se inscrever, no âmbito da administração pública federal direta e indireta e em igualdade de oportunidade com os demais candidatos, nas seguintes seleções:

 

I - em concurso público para o provimento de cargos efetivos e de empregos públicos; II - em processos seletivos para a contratação por tempo determinado para atender necessidade temporária de excepcional interesse público, de que trata a Lei no 8.745, de 9 de dezembro de 1993.

 

De acordo com o coronel, a instituição é destinada à manutenção da ordem pública do Estado e trata-se de uma “categoria especial de servidores públicos". O documento fala que a Instituição não está apta a receber candidatos portadores de deficiência, uma vez que todos os policiais militares da ativa precisam ter aptidão física e mental para o exercício da função. “Sendo assim, por ser uma atividade de policiamento ostensivo nas ruas, é necessário que seus agentes tenham aptidão física e mental, para que possam realizar suas funções institucionais”, afirma o documento assinado pelo coronel.

 

O coronel afirma ainda que, de acordo com a legislação, não há vagas específicas para o ingresso de policiais para atuarem especificamente nos setores administrativos e para se exercer a função, exames de saúde e testes de aptidão física são feitos regularmente.

 

Para o coronel, a obrigatoriedade de vagas destinadas a PCD 's trata de forma desigual, pessoas que se encontram em condições desiguais, e que cabe ao Estado promover ações e políticas públicas que possam diferenciar as pessoas em situações diferentes.

 

As Pessoas com Deficiência, seja ela, física, visual e etc, estão aptas e possuem o direito a realizar concursos públicos conforme o Decreto no 9.508/2018:

Art. 1o Fica assegurado à pessoa com deficiência o direito de se inscrever, no âmbito da administração pública federal direta e indireta e em igualdade de oportunidade com os demais candidatos, nas seguintes seleções:

I - em concurso público para o provimento de cargos efetivos e de empregos públicos; 

II - em processos seletivos para a contratação por tempo determinado para atender necessidade temporária de excepcional interesse público, de que trata a Lei no 8.745, de 9 de dezembro de 1993.

 

De acordo com a Lei No 7.853/89 Art.8, é crime impedir a inscrição e/ou acesso a PCD's a qualquer cargo público em razão de sua deficiência. A pena para esses casos é de 2 a 5 anos de reclusão mais o pagamento de multa.

 

Ao final do documento o secretário informa ainda que, a Instituição não oferece processos de “readaptação”, onde o policial militar com incapacidade poderia ser readaptado para cumprir funções administrativas.

 

 

Confira o ofício na íntegra. 

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.