Sexta, 21 de Janeiro de 2022
92 98468-7887
Saúde JUSTIÇA

Vacinada indevidamente, Isabelle Lins perde na justiça processo contra Mário Vianna

O presidente do Sindicato dos Médicos do Amazonas (Simeam), havia sido acusado de “campanha difamatória” contra as irmãs após vacinação supostamente irregular.

03/12/2021 11h22
Por: Eduardo Menezes
Irmãs Lins sendo vacinadas (Foto: reprodução Instagram)
Irmãs Lins sendo vacinadas (Foto: reprodução Instagram)

Isabelle Kirk Maddy Lins, de 24 anos, que no início do ano foi nomeada pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) juntamente com sua irmã Gabrielle Kirk Maddy Lins e se envolveram na polêmica sobre a vacinação contra a Covid-19 em Manaus, teve uma derrota importante na justiça em processo contra o presidente do Sindicato dos Médicos do Amazonas (Simeam), Mário Vianna.  A decisão foi do juiz Antônio Carlos Marinho Bezerra Júnior no dia 18 de junho de 2021. 

No processo movido contra Vianna, a defesa de Isabelle alega que ele “concedeu entrevista ao Programa Fantástico, exibido pela Rede Globo, em 24/01/2021, ocasião em que, ao invés de promover a defesa dos profissionais da medicina e garantir melhores condições de trabalho aos integrantes da classe, extrapolou o 'animus narrandi' para influenciar toda a sociedade com sua opinião e questionar a moral da autora”.

O juiz entendeu que os argumentos da defesa são incoerentes e, portanto, julgou a ação improcedente. “Forte nesses argumentos, inocorrentes os pressupostos inerentes à configuração de ato ilícito indenizável, exigidos pelo art. 5°, V e X da CF c/c arts. 186 e 927 do CC, JULGO IMPROCEDENTE o pedido autoral, na esteira do art. 38 da Lei n. 9.099/95, consoante fundamentação supra”, diz a conclusão do magistrado que ainda a deixou isenta de custas com honorários e determinou o arquivamento do processo.

Caso dos fura filas em Manaus

As irmãs gêmeas Isabelle e Gabrielle Lins foram acusadas de tomarem vacina contra a Covid-19 indevidamente. A duas são herdeiras de uma das famílias mais influentes do Estado, proprietários do Centro Universitário Nilton Lins.

Na ocasião, o Ministério Público do Amazonas (MPAM), chegou a sugerir a prisão do prefeito de Manaus David Almeida (Avante) e dos secretários também envolvidos na situação.

No programa Fantástico exibido pela TV Globo, uma das irmãs afirmou que não sabia que havia prioridade para vacinação. As irmãs haviam sido nomeadas na Semsa como “Gerentes de projetos”, cargo que na teoria não seria linha de frente contra a pandemia.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.