Quarta, 01 de Dezembro de 2021
92 98468-7887
Amazonas GARIMPO NO AMAZONAS

PF assinou contrato de monitoramento por R$ 49 milhões, mas falhou na fiscalização de invasão de garimpeiros na Amazônia

Os R$ 49 milhões foram pagos com dinheiro do Fundo Nacional de Segurança Pública, vinculado à pasta da Justiça. A contratação da PF ocorreu por inexigibilidade de licitação.

26/11/2021 00h32 Atualizada há 5 dias
Por: Sadim Salatiel
Foto: BRUNO KELLY / REUTERS
Foto: BRUNO KELLY / REUTERS

A Polícia Federa (PF) assinou um contrato de R$ 49 milhões por um serviço de monitoramento de satélite que deveria monitorar desmatamento e queimada na Amazônia. Além disso, o sistema poderia também monitorar a invasão de garimpeiros nos rios do Amazonas.  

De acordo com Folha de São Paulo, os R$ 49 milhões foram pagos com dinheiro do Fundo Nacional de Segurança Pública, vinculado à pasta da Justiça. A contratação da PF ocorreu por inexigibilidade de licitação sob o argumento de que a Planet entrega um serviço único, que nenhuma outra empresa tem.

Na época, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) chegou a criticar a compra após afirmar possuir um sistema com as mesmas funções e finalidades.

Nos últimos dias, as imagens e vídeos da atividade ilegal de garimpo no sul do Amazonas causaram indignação e revolta de ativistas ambientais.

Nesta quinta-feira (25), o vice-presidente da República e presidente do Conselho Nacional da Amazônia, Hamilton Mourão, disse que o Governo está organizando uma força-tarefa para enfrentar o garimpo ilegal de ouro no rio Madeira. A ação do governo vem apenas depois de uma grande repercussão nacional e internacional que foi causada.

O Ministério Público Federal (MPF) expediu recomendação pedindo a adoção emergencial de ação coordenada de repressão e desarticulação ao garimpo ilegal de ouro na calha do rio Madeira e afluentes, no município de Autazes (AM), em atuação integrada de órgãos e autarquias federais e estaduais competentes, no prazo de 30 dias.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.