Sexta, 22 de Outubro de 2021
92 98468-7887
Polícia JUSTIÇA

Delegada Emilia Ferraz tem terceira derrota na Justiça contra delegado João Tayah

João Victor Tayah, que disputou o cargo de vereador nas eleições de novembro deste ano, recorreu à Justiça para impedir a transferência dele para o município de São Paulo de Olivença determinada por Emilia Ferraz sem uma justificativa plausível.

07/10/2021 14h20 Atualizada há 2 semanas
Por: Hanna Rocha
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

 

Já pode pedir música no Fantástico: Delegada-Geral tem terceira derrota contra o Delegado João Tayah. E Justiça decide que Emilia Ferraz não pode continuar no cargo.

Mal acabou a eleição, a Polícia Civil já reservava um plano diabólico para perseguir o então candidato à CMM, João Tayah. Dois dias após o pleito, estava publicada a portaria removendo-o para São Paulo de Olivença, distante quase mil quilômetros de Manaus. A alegria dos malfeitores não durou muito. Logo a Justiça declarou que a remoção era ilícita e determinou a permanência do delegado na capital.

Poucos meses depois, a Delegada-Geral Emilia Ferraz elaborou quadro de promoção contemplando todos os delegados de polícia do Amazonas, mas deixando de fora somente João Tayah. Mais uma vez a própria Procuradoria-Geral do Estado e o Judiciário informaram que esta conduta feria a isonomia e a razoabilidade, determinando a promoção do Delegado João Tayah.

Não satisfeita com duas derrotas seguidas, Emilia Ferraz foi em busca da terceira. Aplicou uma suspensão de 42 dias a Tayah. Tudo isto porque o citado Delegado investigou suposto crime de importunação sexual cometido por outros delegados de polícia em casa noturna de Manaus, no ano de 2017. Emilia, apesar de ser mulher, tentou proteger estes delegados, em prejuízo de uma mulher vitimizada por maus policiais.

A derrota mais recente de Emilia Ferraz não poderia ser mais humilhante. O Desembargador Paulo Lima determinou a anulação da suspensão, sob o argumento de que Emilia Ferraz está aposentada, e por isso não deveria estar na função de Delegada-Geral. Ou seja, o cargo está vago, e Emilia Ferraz está em permanente situação de ilegalidade, praticando atos que não possui competência legal para praticar. Não poderia estar trabalhando, muito menos para ficar perseguindo e punindo profissionais honestos da Segurança Pública.

Será que dessa vez Emilia Ferraz vai finalmente se aquietar e curtir sua aposentadoria em casa? Ou vai continuar sem querer largar o osso, desrespeitando a Constituição Estadual por apego a um cargo?

 Saiba mais:Chuva de promoção: A gestora da Policia Civil promove 80 delegados de polícia, porém o delegado João Tayah ficou de fora dessa “festa”.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.