Sábado, 31 de Julho de 2021
92 98468-7887
Política CASO FLÁVIO

Juiz autoriza acesso a conteúdo do celular de ex-primeira-dama de Manaus

A decisão foi tomada no processo que investiga o assassinato do engenheiro elétrico Flávio Rodrigues dos Santos, ocorrido em setembro de 2019, e atendeu pedido do MP-AM

13/06/2021 09h32
Por: Joyce Carvalho

 

O juiz Celso de Paula, da 1ª Vara do Tribunal do Júri de Manaus, autorizou, na sexta-feira, 11, o setor de inteligência do Ministério da Justiça a extrair e compartilhar com o MP-AM (Ministério Público do Amazonas) o conteúdo de quatro aparelhos apreendidos com a ex-primeira-dama de Manaus Elisabeth Valeiko e o genro dela Igor Ferreira, em 2019.

A decisão foi tomada no processo que investiga o assassinato do engenheiro elétrico Flávio Rodrigues dos Santos, ocorrido em setembro de 2019, e atendeu pedido do MP-AM, autor da denúncia contra Alejandro Valeiko, Elizeu da Paz, Mayc Vinícius Parede, Paola Valeiko e  José Edvandro Júnior.

De acordo com o magistrado, três telefones celulares e um tablet da marca Apple foram apreendidos após o crime e “precisam ter seus conteúdos expostos nos presentes autos, pois pertencem a pessoas que, embora não sejam réus no processo, são parentes próximos dos acusados”. Celso não informou, na decisão, os proprietários dos aparelhos.

Ao contestar o pedido do MP, Paola Valeiko, irmã de Alejandro, alegou que os aparelhos foram apreendidos em outra investigação deflagrada em dezembro de 2019 contra Igor Ferreira e Elisabeth Valeiko. Para ela, o acesso ao conteúdo dos celulares “viola a intimidade de terceiros os quais não foram indiciados e nem sequer denunciados no presente feito”.

Igor reconheceu que é um dos donos dos celulares que agora serão acessados e também alegou violação à intimidade. Ele citou que o pedido do MP ocorre 18 meses após a apreensão dos aparelhos e que nesse período “absolutamente nada” foi apurado contra ele, ou seja, não houve qualquer fato novo que justificasse o pedido.

A defesa de Igor afirmou que a Justiça já havia negado pedido para acessar o conteúdo dos mesmos aparelhos em outro processo de número 0816406-77.2020.8.04.0001, que tramita em segredo de justiça, e que só teve acesso a essa informação porque Igor é esposo de Paola e ambos compartilham os mesmos advogados.

“Bastou uma rápida análise do Procedimento nº 0816406-77.2020.8.04.0001 para esta Defesa tomar conhecimento que aqueles ‘3 (três) aparelhos Iphone e um aparelho Ipad, todas da Marca Apple’, foram apreendidos ‘dos alvos Igor Gomes Ferreira e Elizabeth Valeiko do Carmo Ribeiro'”, afirmou a defesa de Igor.

No pedido, o promotor de Justiça José Augusto Palheta Taveira Júnior citou que os aparelhos foram apreendidos no âmbito de investigação “que se relaciona à presente ação penal”. Ele sustentou ainda que a medida busca “dar celeridade de acesso aos dados extraídos para subsidiar as investigações que envolvam crimes complexos”.

Os aparelhos foram apreendidos no dia 11 de dezembro de 2019. Na época, a advogada Talita Lindoso, que compõe a defesa de Igor, afirmou que a morte do engenheiro Flávio Rodrigues havia virado um ‘palanque político’ e estava sendo usada para atingir o então prefeito Arthur Neto e a família de Alejandro.

Ao indicar o envio dos celulares à Diretoria de Inteligência e Secretaria de Operações de Inteligência do Ministério da Justiça, o órgão alegou que a maioria dos institutos de criminalística estaduais estão sobrecarregados de dispositivos móveis aguardando perícia técnica e não tem equipamentos modernos “para a realização de certos tipos de extração”.

O MP afirmou que, após a extração, o material será encaminhado para o Laboratório de Tecnologia do Ministério Público “para confecção de relatório técnico do material extraído” e que a Justiça pode, se entender viável, enviar o material para o instituto de criminalística do Amazonas para elaboração de laudo pericial indireto.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.