Domingo, 13 de Junho de 2021
92 98468-7887
Amazonas ORDENAMENTO

Governo do Amazonas retoma ordenamento pesqueiro do Rio Negro

Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (Idam) participa de tratativas.

09/06/2021 15h11 Atualizada há 4 dias
Por: Bianca Mello Fonte: Secom Amazonas
idam: Ordenamento pesqueiro
idam: Ordenamento pesqueiro

Para incentivar o uso ordenado dos estoques pesqueiros na região do médio Rio Negro, nas áreas de abrangência entre os municípios de Santa Isabel do Rio Negro e Barcelos, o Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas(Idam) participa das tratativas para a construção do ordenamento pesqueiro da região.

Uma equipe de técnicos, especialistas na área, participam das ações no Médio Rio Negro. A atividade coordenada pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema), em parceria com a Secretaria de Estado de Produção Rural (Sepror) e Idam, seguiu até a terça-feira (08/06).

Mais de 340 comunidades serão inseridas no ordenamento pesqueiro, que até o momento irá beneficiar aproximadamente 1.500 famílias com a construção de acordos de pesca. Esse quantitativo será atualizado até o final do mês de junho, quando a equipe de técnicos retornará ao local para atualizar o levantamento de dados.

O Idam, como parceiro técnico, presente em todos os municípios do estado, irá apoiar nas ações necessárias e assistência técnica no decorrer da construção e regulamentação dos instrumentos de ordenamento pesqueiro. Os pescadores artesanais e ornamentais estão inseridos na política do Cartão do Produtor Primário (CPP), emitido exclusivamente pelo Idam. 

De acordo com a engenheira de pesca do Idam, Larissa França, na região do Médio Rio Negro, assim como em muitas regiões do Estado, a pesca ainda acontece de forma desordenada, causando alguns conflitos entre os pescadores.

“Com o ordenamento pesqueiro, os pescadores e usuários terão áreas específicas para realizarem a pesca de subsistência, artesanal, esportiva, ornamental e ainda terão áreas para preservar os recursos pesqueiros”, pontuou Larissa, ao destacar que as regras, criadas pelos pescadores, visam o fortalecimento social e a geração de renda para as comunidades participantes.

Regulamentação e renda 

Com as atividades de pesca ordenadas, as comunidades também começam a se organizar, levando parte da produção até a sede do município para comercializar em feiras e mercados locais. E, futuramente, poderão realizar o manejo do pirarucu e outras atividades dentro de áreas protegidas.

No ordenamento da pesca esportiva é possível envolver grande parte dos comunitários, que podem atuar como operadores de pesca, piloteiros, guias, cozinheiras, camareiras e outras atividades.

O pescador João Leandro, da etnia Baré, representante da Organização do Rio Aracá e Demeni, destaca a importância das ações do governo do Amazonas para a atividade de pesca.

“Fico feliz quando o governo se preocupa conosco para fortalecer as organizações. Saímos da nossa comunidade Bacabal para nos reunirmos com o pessoal aqui no Idam. Queremos fortalecer nossa organização de base, com isso nossos filhos e netos terão o futuro dessa pesca que o governo está deixando para cada um de nós”, disse.


O ordenamento pesqueiro do Médio Rio Negro é uma tratativa que iniciou em 2006, mas somente em 2016 os comunitários com apoio técnico conseguiram discutir o zoneamento e algumas regras. E agora, em 2021, o Governo do Amazonas, por meio da Sema, Sepror e Idam, com apoio do Projeto Paisagens Sustentáveis da Amazônia, retomou a construção e regulamentação do ordenamento pesqueiro da região.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.