Quarta, 16 de Junho de 2021
92 98468-7887
Brasil EMPREGO

Órgão diz que mais de 180 mil vagas de trabalho foram criadas somente no mês de março

No país, o salário médio de admissão em março foi de R$ 1.802,65. O valor representa um aumento real de R$ 60,76 quando comparado com o mês anterior.

28/04/2021 21h44
Por: Sadim Salatiel
Órgão diz que mais de 180 mil vagas de trabalho foram criadas somente no mês de março

Em março, foram criadas 184.140 vagas de trabalho com carteira assinada no país, de acordo com dados do novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia. As vagas são resultado de 1.608.007 admissões e de 1.423.867 demissões no período.

“O grande destaque é o setor que tinha sido mais golpeado durante toda a crise sanitária. O setor de serviços foi o grande destaque. Dos 184 mil empregos, praticamente a metade, 95 mil foram criados no setor de serviços. O último setor da economia que estava no chão se levantou e a economia brasileira segue criando empregos”, afirmou o ministro da Economia, Paulo Guedes.

No país, o salário médio de admissão em março foi de R$ 1.802,65. O valor representa um aumento real de R$ 60,76 quando comparado com o mês anterior.

No acumulado de 2021, foi registrado saldo de 837.074 empregos, decorrente de 4.940.568 admissões e de 4.103.494 desligamentos.

Emprego por atividades econômicas

Os cinco grupos de atividades econômicas medidos registraram saldo positivo em março de 2021. No setor de serviços foram 95.553 postos; na indústria geral, 42.150; na construção, 25.020; no comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas, 17.986; e na agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura, 3.535.

Regiões e estados

As cinco regiões brasileiras apresentaram saldo positivo na geração de postos formais de trabalho, lideradas pelo Sudeste (+103.935 postos). Em seguida, estão a região Sul (+49.998), Centro-Oeste (+16.559); Norte (+8.944); e Nordeste (+4.790).

Das 27 Unidades da Federação, 23 tiveram saldo positivo. O estado com maior saldo foi São Paulo (+50.940 postos) e o que teve mais redução foi Alagoas (-8.310).

Nova edição do BEm

A medida provisória que relança o novo Benefício Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda (Bem), foi assinada na terça-feira (27), pelo Presidente Jair Bolsonaro, com previsão orçamentária de R$ 9,8 bilhões para pagamento de folha e a expectativa de preservar 4,8 milhões de empregos, de acordo com o Ministério da Economia. As regras são as mesmas da primeira edição do programa.

O programa prevê a possibilidade de redução da jornada de trabalho e do salário dos empregados e a suspensão temporária dos contratos de trabalho, cumulada com o pagamento do benefício, por até 120 dias.

O ministro Paulo Guedes lembrou que a primeira rodada do BEm foi responsável pela preservação de milhões de empregos e, agora, o benefício foi renovado antes que a economia brasileira comece a fechar postos de trabalho. “No ano passado, surpreendidos pela crise, quando lançamos o Bem, já foi um antídoto à perda de empregos, já estávamos perdendo empregos. Este ano, ao contrário, estamos criando empregos e já lançamos o BEm”, afirmou.

O secretário especial de Previdência e Trabalho, do Ministério da Economia, Bruno Bianco, apresentou um balanço da primeira rodada do BEm. A medida preservou aproximadamente 10 milhões de empregos, cerca de 1,5 milhão de empresas foram alcançadas e quase R$ 36 bilhões foram gastos para pagamento de folha e acordos individuais e coletivos.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.