Domingo, 11 de Abril de 2021
92 98468-7887
Polícia SUSPENSÃO

Em Itacoatira, Quatro vereadores acionam TCE para suspender dispensa de licitação

Os vereadores alegam que o prefeito está burlando o dever de licitar, usando como justificativa a pandemia da Covid-19

02/03/2021 16h44
Por: Fernanda Souza
Em Itacoatira, Quatro vereadores acionam TCE para suspender dispensa de licitação

Em Itacoatiara, quatro vereadores apresentaram ação no TCE (Tribunal de Contas do Estado) contra o prefeito Mário Abrahim (PSC) para suspender dispensa de licitações na contratação de serviços de obras, limpeza, saúde e assistência social no município. O prazo do decreto é de três meses. Os vereadores que assinam o pedido são Andreia Mara (Avante), Jucinei Freire (MDB), Richardson Araújo (PR), e Robson Siqueira Filho (PV).

Os vereadores alegam que o prefeito está burlando o dever de licitar, usando como justificativa a pandemia da Covid-19. O TCE considerou que as alegações são pertinentes.

O decreto do prefeito foi publicado no dia 10 de fevereiro e tem como base o art. 1º da Lei 14.065, de setembro de 2020. A lei autoriza a dispensa de licitação em casos específicos enquanto durar os decretos de calamidade pública.

“Fica declarado por 90 dias o Estado de Emergência Financeira e Administrativa no Município de Itacoatiara, com a finalidade de propiciar a contratação direta de bens e serviços essenciais ao regular andamento da Máquina Administrativa, exclusivamente relacionado à materiais de expediente, informática, limpeza e saúde pública e assistência social, além de reparos e obras emergenciais nos prédios e bens moveis de uso da administração pública”, diz o prefeito.

No entanto, os vereadores argumentaram que o prefeito está determinando a dispensa de licitação de todos os serviços do município.

O decreto também estabelece que os serviços sejam prestados por, no mínimo, 60 dias. “Deste modo, apesar do dever de licitar, o prefeito de Itacoatiara ignora tal dever e determina a contratação direta de todos os bens e serviços de uso da administração pública, escorando o seu desrespeito pela Constituição”, dizem os vereadores.

Além das dispensas, o prefeito também decretou que todos os contratos do município que terminem em 2021 sejam concluídos, menos os de serviços que podem comprometer o exercício do mandato.

“Fica determinado o fim da duração de todos os contratos administrativos de fornecimento (materiais, produtos industrializados, gêneros alimentícios etc.) que tiveram o seu prazo de término fixado para o ano de 2021, com exceção dos contratos de serviços de natureza continuada e os contratos oriundos de emendas parlamentares, convênios e de obras e serviços de engenharia”, diz o decreto.

Os vereadores alegam que o prefeito está indo contra a “legalidade e moralidade”. “Excelência, o Decreto 69/2021, determinou, sem qualquer fundamento legal, o fim da duração de todos os contratos firmados. Frise-se a Municipalidade vai rescindir contratos firmados, comprar diretamente e novamente licitar, indo, com um só ato, contra os princípios da legalidade, eficiência e da moralidade esculpidos no artigo 37 da Constituição Federal”, dizem.

Abrahim decretou em 2021, estado de calamidade pública em razão de queda na receita do município. O prefeito diz que as finanças do município estão desestabilizadas por conta de problemas encontrados durante a transição de gestões e que os gatos com a pandemia afetaram o município.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.